Nostalgia cinematográfica: relembrando a infância através de filmes.

Hoje fui ao cinema ver Kung Fu Panda 2. Apesar de adorar animação e morrer de raiva quanto rotulam como ‘filme infantil’, comecei a lembrar dos filmes e desenhos que eu amava ver quando era criança. Acho que esta nostalgia se instalou mais por ver o trailer de Os Smurfs, filme baseado no desenho de mesmo nome e que chega ao Brasil em Agosto.

Quando eu era bem pequena, queria sempre ver e rever os filmes e desenhos que adorava. Tanto que minha mãe teve que gravar diversas fitas VHS, já que mesmo quando o “Show da Xuxa” acabava eu queria continuar assistindo desenhos. E nesta época não tinha Cartoon Network na TV a cabo com sua programação 24 horas  ;-P

Hoje me peguei lembrando destas fitas. Uma amiga 3 anos mais nova não conhece Os Smurfs, achei um pecado! Mas como minha memória é pior que a da Dori do Procurando Nemo e não sabia contar como era a história, recorri ao Youtube para assistir alguns episódios. E uma coisa foi puxando a outra, vontade imensa de rever todas essas maravilhas da minha infância. Para ficar permanente na memória pra sempre, achei legal fazer esse post, uma filmografia nostálgica da minha infância.

João e Maria (1987): Este acho que foi o filme que mais vi na vida! Era todo dia quase, e não me contentava só em ver, queria fazer parte. Todas as falas decoradas, eu as falava antes mesmo dos atores, e me sentia a pessoa mais feliz e inteligente do mundo por isso. De vez em quando me vem à mente a cena dos meninos presos na gaiola, colocando um osso de galinha (frango?) fingindo serem seus dedos, pra bruxa achar que eles ainda estão magrinhos.

História Sem Fim (1984): Este é do ano em que nasci. Só fui relembrar a história agora, fazendo uma breve pesquisa pra escrever este post. Aquele universo que mistura magia e imaginação sempre me encantou. A cena que ficou na mente é do menino voando em cima do cachorro gigante (nem sei se é mesmo gigante. Pelo menos era na minha mente de criança). Anos depois fizeram a continuação, mas não gostei. Não sei se por já ser mais velha ou se o filme é ruim mesmo.

A Fantástica Fábrica de Chocolates (1971): Acho que este é meu filme de amor eterno. Também via quase que diariamente e todas as vezes me emocionava com o Charlie e sua família. Apesar de criança, me comovia demais aquele menino pobre mas super meigo e inteligente. E o avô, que mesmo doente dava carinho, atenção e ensinava que a gente não deve desistir dos sonhos? Muito me irritei com a menina mimada e com o menino riquinho e comemorei quando eles ficaram pelo caminho. Diverti com a galinha dos ovos de ouro, tinha um misto de gostar-enão-gostar do Willi Wonka, ao mesmo tempo divertido e cínico. Sonhei em mergulhar no rio de chocolate, queria flutuar na maquininha da gravidade e entrar na televisão mascando chicletes. Duas cenas ficaram marcadas: quando Charlie acha o chocolate premiado e vai correndo mostrar ao avô e a do final, quando cruzam o teto e Wonka diz que a fábrica passa a ser do Charlie!

Free Willy (1993): Vi algumas vezes e liberava minha adrenalina, querendo estar no meio daquela aventura, torcendo pra que Willy fosse libertada! A cena que não sai da mente é a clássica e se não me engano a capa do filme, quando a baleia pula as pedras, com o garoto com as mãos erguidas.

Em Busca Do Vale Encantado (1988): Também vi algumas boas vezes, e acho que só não vi mais por achá-lo triste. Ver o dinossaurinho perdendo a mãe era doloroso demais pra mim. Acho que o que eu mais gostava no filme, além da história, eram aquelas paisagens maravilhosas e muito coloridas.

ET, o Extraterrestre (1982): Nem sei dizer o número de vezes que vi, e vejo até hoje quando passa na TV. Impossível não se apaixonar pelo ET esquisitinho, mas tão adorável e amedrontado. Achava a idéia da flor que murcha e fica forte de acordo com a saúde do ET sensacional! A cena que mais me marcou é a de quando ele vai voltar pra casa. AO despedir do Elliott, há um close no ET e ele aparece com enormes olhos azuis, vibrantes. Estes olhos me fazem chorar muito, até hoje. Por que os olhos? Não sei! Hehe.

A Lagoa Azul (1980): Um dos filmes que mais vi também. Achava a pureza desse filme sensacional. Era quase como um sonho de vida: encontrar um amor verdadeiro, morar em um local paradisíaco e tranqüilo, ter filhos lindos e ser feliz para sempre. Apesar de ser criança, em algum cantinho da minha mente eu vi que aquele era bom e que eu queria pra mim. E continuo querendo tudo isso até hoje. A cena que mais marcou é a da família linda nadando felizes no mar azulzinho. Revi uns anos atrás quando passou na Globo pela milésima vez e me decepcionei. Minha mente de criança fez achar aquela história encantadora. Já a mente de adulta não conseguiu achar a mesma graça.

O Milagre Veio do Espaço (1987): Quando já estava quase dando ok e publicando este post, lembrei deste filme. E me admirei positivamente, não fazia a menor idéia que era do Spielberg! Vi algumas vezes mas não faço a menor idéia da história nem consigo lembrar de nenhuma cena. Quero revê-lo pra ontem!

Vou muito correr atrás e tentar baixar todos esses filmes, revê-los e comprar aqueles que ainda achar interessante. Mas esta é minha preocupação. Será que vale a pena rever os filmes que foram a paixão da sua infância? Já tive uma experiência com A Lagoa Azul e não gostei. Perdi o encanto e não foi legal. Será que vale a pena revê-los, ao menos para lembrar da experiência? Ou será que é mais emotivo não revê-los e manter viva a magia da aura infantil?

* Interessante ver que de todos estes filmes, apenas Free Willy e Em Busca do Vale Encantado foram feitos depois que eu nasci. Quando comecei a lista, lembrava só de uns 4. Ao final, vejo que foram vááarios filmes que me marcaram a infância. Muito bacana constatar que sou cinéfila desde criancinha! Hehe.

* Não coloquei-os por ordem de ‘idade’ porque não é este o objetivo. Preferi escrever na ordem em que me vieram à mente.

E vocês, leitores, são mais velhos ou mais novos que eu? Quais foram os filmes que marcaram a infância de vocês?

Deixe uma resposta