Popularização da fotografia? Eis o verdadeiro lado ruim: Roubos e assaltos!

Muito se tem falado sobre a popularização da fotografia e sua consequente banalização. Em rodas de fotógrafos ou em blogs, twitter e facebooks de profissionais ou amadores mais experientes, este tema é recorrente e, ao menos pra mim, já se tornou chato e cansativo. É um assunto que por mais que seja debatido, não vai alterar o rumo das coisas.

A evolução tecnológica, a baixa do preço dos equipamentos e o aumento de poder aquisitivo da população são os principais fatores que causaram esta popularização e, para resumir o meu ponto de vista, a acho benéfica. Não vejo problema algum em cada vez mais pessoas adquirirem seus equipamentos e saírem felizes clicando por aí, se auto-intitulando fotógrafos, mesmo que seu trabalho não tenha a tão falada qualidade técnica nem senso de estética aprimorado. Não acho que isso banaliza a fotografia por um motivo simples: há espaço para todos, e o bom fotógrafo sempre vai ter o seu lugar e clientes a pagarem por seus serviços.

Mas o objetivo deste texto é focar na outra ponta desta popularização. Um tema extremamente importante e que vem sendo cada vez mais recorrente, mas ainda pouco comentado: a violência aos fotógrafos.

Fotógrafos fazem protesto contra a violência em Natal. Foto: Sonia Furtado

Como antigamente não se via alguém portando uma câmera sofisticada em cada esquina, era mais difícil para os ‘marginais’ saberem onde encontrar fotógrafos portando seus equipamentos. Com a explosão de fotógrafos e câmeras modernas circulando pela cidade, ficou mais fácil encontrá-los. Se a gente vê fotógrafos em cada canto que vamos e achamos normal, para as pessoas mal intencionadas é um prato cheio.

Existe entre os fotógrafos de cada cidade alguns lugares-chave, regiões que se destacam pela beleza e por seu perfil fotográfico, por sua fotogenia em compor belas fotografias. Lugares com belezas naturais, trilhos de metrô e paredes pichadas são os favoritos! E aí dá-lhe invasão de fotógrafos. Com o tempo, todos os fotógrafos da cidade possuem fotos iguais. Aí uns querem inovar, e começam a levar todo o equipamento do estúdio pra rua. Adivinha o que acontece? Marginais são seres inteligentes e, sabe-se lá como, ficam sabendo de todos estes points badalados.

Os casos começaram a aparecer pouco a pouco, e agora estão se tornando rotineiros. E o pior: cada vez mais perigosos e ameaçadores. Primeiro foi o conhecimento de que um ‘amigo de amigos’ foi assaltado enquanto fotografava uma noiva. Deixou parte do equipamento no carro e, quando voltou, este estava arrombado. Depois teve um caso de uma fotógrafa que teve seu equipamento roubado e sofreu escoriações enquanto fotografava na rua. Outro teve sua casa invadida e todos os equipamentos roubados. E casos como este pipocam e aparecem novos a cada dia.

Nesta semana, dois casos preocuparam ainda mais quem trabalha com fotografia. No primeiro, um policial civil vai até a casa do fotógrafo pegar um álbum. Quer levá-lo, mas não quer pagar por ele! Depois de muita discussão, o policial tira um revólver da cintura e aponta para a cabeça do fotógrafo. No segundo caso, a fotógrafa combina com uma mulher a entrega de um album. O ponto de encontro foi uma praia no RJ. Na hora da entrega, um homem encapuzado e armado rende as duas mulheres e leva o album. Estas vão para a delegacia, a fotógrafa descreve o assaltante e a polícia consegue localizálo. Descobre-se então que o assaltante é namorado da cliente e que os dois armaram o golpe, por não terem dinheiro para pagar pelo álbum. (Leia mais)

Sempre se falou sobre os cuidados e atenção que devemos ter ao fechar contato com um cliente. Conversar pessoalmente antes de fechar negócio, pegar identidade e cpf, marcar uma renião em local com muito fluxo de pessoas e sem levar equipamentos são cuidados que todos que começam a fotografar tomam conhecimento. Mas estamos constatando que a preocupação não acaba por aí. O momento de entrega dos serviços também precisa de muita atenção.

Aqui vão algumas dicas para você se previnir:

Na rua:

– Evite sair com mochilas onde fica evidente que você está portando equipamentos fotográficos. Atualmente existem diversas mochilas e até bolsas femininas próprias para acomodar sua câmera de forma segura, mas que externamente possuem o visual de uma bolsa comum. Opte por estas;

– Evite também as bolsas que possuem marcas de equipamentos. Um “Canon, Nikon, Targus”, etc. estampado chama muito a atenção;

– Não fique com a câmera pendurada no pescoço todo o tempo. Tire-a da mochila somente quando for fotografar. Mas MUITA ATENÇÃO: antes de tirar o equipamento da mochila, observe atentamente o redor;

– A dica acima não serve apenas para quando for pegar a câmera, mas sim por todo o tempo. Mesmo com a câmera bem guardada e escondida, vigilância constante é fundamental;

– Escolha bem o local onde realizará seu passeio ou sessão fotográfica. Alguns locais já caíram no conhecimento de todos, inclusive dos marginais;

– Locais desertos e mal iluminados? Fuja!

– Participe de grupos fotográficos e dê preferência a passeios com mais pessoas. Enquanto uns fotografam, outros ficam atentos ao redor. Estar sozinho é dar mais coragem e liberdade para alguém mal-intencionado se aproximar;

– Em caso de abordagem, esteja você sozinho ou em grupos, mantenha o controle e não reaja! Estar em grupo gera uma falsa sensação de poder. Mas basta o marginal estar armado se sentir mais forte e poderoso que um grupo inteiro de pessoas desarmadas.

No carro:

– Jamais deixe seu equipamento dentro dele, carregue tudo junto de si, sempre. Você pode achar que não tem ninguém olhando e colocar as coisas rapidamente no porta-malas. Mas cuidado, mesmo que você não veja,pode ter alguém te observando.

– Dirija com os vidros fechados. Quando parar no semáforo, deixe a primeira marcha engatada e fique alerta a toda a sua volta;

– Vai descer do carro mesmo que por um segundo? TIRE A CHAVE DA IGNIÇÃO. É extremamente comum vermos motoristas saírem e deixar a chave lá. Lembre-se: sempre pode ter alguém te observando;

– Antes de se dirigir ao seu veículo, observe toda a rua e veja se não há nenhum suspeito. Faça o mesmo quando estiver chegando no destino e for estacionar.

Ao fechar negócio com clientes:

– Não faça acordos somente por telefone. Marque reuniões físicas, sempre em locais seguros e com muito movimento. Não leve equipamentos de valor;

– Se for fechar negócio, apresente ao cliente seu contrato, onde conste todas as caracteríticas do serviço, como o que você irá entregá-lo e quando. Especifique tudo detalhadamente. Neste contrato, coloque o nome do cliente, bem como o número de sua identidade e CPF.

– Cobre antecipadamente. Se não puder cobrar o valor integral antes, cobre ao menos metade. Pode ser metade no dia do fechamento do negócio e a outra metade no dia das fotos; ou dividir em 3 vezes, com uma pequena parcela para o dia da entrega. Aqui fica a seu critério, mas é uma das etapas mais importantes da precaução;

– Quando for sair para fazer um trabalho, conte para amigos de confiança ou familiares para onde você está indo, e qual a previsão de volta;

– Ao sair de um job, retire os cartões de memória da câmera e guarde com você, longe do restante do equipamento. Assim, mesmo que alguém te aborde na saída, você não perderá as fotos do cliente. Equipamento você recupera. As fotos do casamento e da festa, não.

Dicas finais:

– Não ande armado! É mais uma falsa sensação de segurança, e a coisa pode ficar muito pior do que seria. Você pode cometer uma atitude impensada e acabar ou prejudicar sua vida para sempre;

– Faça seguro do seu equipamento! Mesmo se você for amador e tiver equipamentos mais simples, tê-los roubados com certeza não é o seu desejo. Se você é profissional e os equipamentos são sau fonte de renda então, é imprescindível. Existem seguros criados especialmente para fotógrafos. Em diversos fóruns sobre fotografia na internet você encontra dicas de seguradoras com este fim. Se informe com amigos da área sobre a melhor opção.

UPDATE: Se você foi roubado ou está comprando equipamento usado, consulte o Cadastro Nacional de Seriais de Equipamentos Roubados. O site criado pelo fotógrafo Sérgio Muricy permite cadastrar e consultar equipamentos através do número serial. “Quando um serial for encontrado em nosso cadastro, através da busca, um e-mail será enviado para o proprietário, com as informações de contato do usuário que efetuou a consulta.” diz o site.

Estas foram algumas dicas de cuidados que todos nós, fotógrafos ou não, profissionais ou amadores, devemos tomar. O risco existe, como em qualquer outra profissão. Devemos sim ter muito cuidado e atenção, mas também não podemos viver enclausurados dentro de casa, com medo de tudo e de todos. Fiquem atentos e previnam-se. Mas existe uma vida linda lá fora, vamos viver e registrá-la!

Tem mais alguma dica de segurança e quer contribuir e passar pra gente? Deixa uma mensagem nos comentários!

9 Replies to “Popularização da fotografia? Eis o verdadeiro lado ruim: Roubos e assaltos!”

  1. Pingback: Popularização da fotografia? Eis o verdadeiro lado ruim: Roubos e assaltos! | Felipe Khill

  2. Amanda Almeida

    Muito obrigada, Lucas! Fico bastante feliz que tenha gostado do blog e que ele seja útil pra você. O objetivo é esse mesmo!

    Violência infelizmente é algo que a gente tem no Brasil todo. Temos que prestar muita atenção com a nossa segurança, ainda mais portando equipamentos caros.

    O lugar é sair sempre acompanhado, mesmo que seja um amigo que nem é fotógrafo. Ele ajuda a olhar o redor com mais atenção, principalmente pq a gente fica tão entretido fotografando que por muitas vezes nem lembramos de tomar cuidado.

    Obrigada pelo comentário, volte sempre! Bons cliques aí! =)

  3. Lucas Galvão

    Ótimo blog eu não conhecia, ótimas dicas, parabéns.
    Apesar de esta começando agora…Ainda como estudante, essas dicas realmente são muito validas, eu resido em Salvador e aqui acontece muitos roubos e tal, e sempre acabo sozinho para fotografar…E realmente o cuidado tem que ser redobrado

  4. Pingback: Roubo de equipamentos (5D Mark II e acessórios) – Belo Horizonte. « Fotografia, cultura e variáveis.

  5. mandinhabhz

    Eu que agradeço demais pela visita e interação, Aldrin!
    Fico muito feliz que tenha gostado, me motiva ainda mais. Esse tipo de informação deve ser sempre compartilhada.
    Obrigada, abraços e volte sempre!

Deixe uma resposta