Crédito não é boa ação, é OBRIGAÇÃO.

Lá vem eu reclamar. Mas não dá pra parar, ao menos enquanto as pessoas continuarem nos chamando de bobos. Todo fotógrafo, desenhista, designer, escritor, artista ou qualquer profissional criador de um produto com certeza já passou por isso. E parece nunca ter fim, por mais que pipoquem pela internet e fora dela profissionais reclamando pela falta de respeito.

Sim, porque na minha humilde opinião, pedir o trabalho de alguém para utilização em benefício próprio e que te renderá lucros, sem querer pagar NADA pro sujeito, é falta de respeito e menosprezo com o trabalho da pessoa. Recebi um “convite” hoje que não foi o primeiro e com certeza não vai ser o último. Transcreverei para vocês o email, ocultando o nome da empresa e da pessoa que me contactou. Segue:

“Sou a Diretora de Fotografia e Conteúdo da … , editora especializada em livros de arte de diversos temas. 
No momento estamos desenvolvendo um livro que fala de Minas Gerais, suas regiões e sua gente e algumas fotos suas nos interessam para este trabalho. 
Precisamos de fotos de altíssima qualidade de cada uma das regiões e cidades de Minas e por isso estamos entrando em contato com diversos fotógrafos, para saber se há interesse em ter seus trabalhos, sobre a sua cidade e a sua região, publicados nesse livro. Por ser editorial, estamos negociando com créditos nas fotos, curriculum de cada fotógrafo no final do livro e um exemplar do livro a cada cinco fotos escolhidas por fotógrafo autor. 
Nos interessam fotos de paisagens, cidades, arquitetura, festas religiosas, folclore, artesanato, culinária, doces, minerais, gente e, claro, fotos autorais de sensibilidade explícita. 
O livro (…)  deverá ser uma bela obra de divulgação desse Estado tão maravilhoso de nosso país.
Caso haja interesse de sua parte em ter seu material analisado, estamos no aguardo (…).”

Gente, vocês tem noção do que isso representa? A pessoa quer fotos em “altíssima qualidade” para criar um livro sobre Minas Gerais. Um dos estados que vai abrigar a Copa do Mundo em 2014 e receberá turistas de diversas partes do mundo. Não sei qual vai ser a função deste livro, se será vendido, doado ou sei lá o que. Mas querer fotos em “altíssima qualidade” e em troca negociar o crédito nas fotos? Portfólio divulgado no final do livro? Um livro a cada 5 fotos? Se eu mandar “só” uma, duas, quatro fotos então nem ganho o livro?

Moçada, por favor. Uma coisa que todos precisam entender é que o crédito da sua obra não é uma boa ação, não é negociado. É seu direito, por lei! Muitos fotógrafos iniciantes se sentem felizes e satisfeitos só de ter seu ‘portfólio divulgado no final do livro’. Mas o créditos, amigos, por favor entendam, é seu por direito! Ninguém está sendo bonzinho e gentil com você por colocar seu crédito na sua foto.

Sei que este texto não vai servir de nada e as coisas não vão mudar. Mas se valer ao menos pra conscientizar um pouco as pessoas (tanto quem pede, como a diretora de fotografia dessa editora, como os próprios fotógrafos) já vou ficar feliz.

6 Replies to “Crédito não é boa ação, é OBRIGAÇÃO.”

  1. macielfotografias

    Pior ainda; é quando você faz algum trabalho com ou para outro fotógrafo e ele simplesmente ignora você e credita todas as fotos com o nome dele. Acha que ta certo isso!

  2. mandinhabhz

    Obrigada pelos comentários, moçada!
    Acho que a gente que é meio que um ‘dever’ da gente, que já temos um pouco de mais consciência sobre isso, divulgar o máximo possível.

    Quando somos iniciantes não damos muito valor a essas coisas. Mas é importante sempre se questionar e informar sempre que possível. O objetivo que tenho com o blog é esse.

    Se consigo plantar a ‘sementinha do questionamento’ em alguém, fico muito feliz. Hehe.

  3. Bruna Cris

    concordo plenamente!
    acho que enquanto um ou outro fotografo não aprender a lutar pelos próprios direitos, achando que é favor a menção de autoria de um trabalho de arte… as editorias (sejam grandes ou não) vão continuar desrespeitando esse direito.
    muito bom o texto / a discussão levantada!

  4. César Augusto Boaretto

    Muito bem, Amanda. Falou com propriedade novamente.

    Não é que “o texto não vai servir de nada e as coisas não vão mudar.” . Penso que de alguma forma trás para aqueles que o lerem alguma reflexão acerca do crédito de trabalho.

    Abraço e continue firme no blog.

Deixe uma resposta